Bombeamento de água

  • Faça a manutenção periódica do sistema, eliminando vazamentos e efetuando a limpeza dos filtros;
  • Verifique se o sistema está dimensionado corretamente, isto é, se a vazão da bomba é adequada para as necessidades do sistema, se o diâmetro da tubulação é apropriado (a economia na tubulação reflete em maior custo de energia) e se a potência do motor elétrico é compatível com a bomba (a sobra excessiva de potência ocasiona um baixo fator de potência);
  • Evite curvas acentuadas, reduções e ampliações bruscas. Isto ocasiona um considerável aumento na perda de carga das instalações;
  • Evite a entrada de ar na tubulação de sucção. Isto ocorre pelo estado precário da tubulação ou intencionalmente, com o ajuste da vazão e, consequentemente, da carga do motor. Apesar de ser uma maneira de redução da carga solicitada, esta atitude é condenável pela redução da eficiência e vida útil da bomba. O procedimento correto seria, ao invés da entrada de ar, o redimensionamento do conjunto motor-bomba através do rotor ou jogo de polias;
  • Evite grandes alturas de sucção. A ocorrência de alturas demasiadas de sucção, além de diminuir o rendimento, pode provocar "cavitação", diminuindo a vida útil do rotor da bomba.
  • Verifique a altura de despejo necessária. Quando a saída da tubulação encontra-sea uma altura muito superior ao ponto de despejo, provoca um gasto desnecessário de energia por superdimensionamento da instalação;
  • Deve-se evitar que as instalações sejam compostas por um único conjunto motor-bomba. O correto seria dividir a carga hidráulica em dois (ou mais) conjuntos motrizes;
R. Artur Simões Ramalho, 120, São Cristovão - Gov. Valadares - MG +55 (33) 3221-4502 / 8440-8080This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.